terça-feira, julho 02, 2013

O homem sem qualidade

Portanto, não se de valor com os nomes das cidades. como todas as cidades grandes era feita de irregularidades, mudança, avanço, passo desigual, choque de coisas e acontecimentos, e, no meio disso tudo, pontos de silêncio, sem fundo, era feita de caminhos e descaminhos, de um grande pulsar rítmico e do eterno desencontro e dissonância de todos os ritmos como uma bolha fervente pousada num recipiente feita da substância duradoura das casas, leis, ordens e tradições históricas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário